sexta-feira, 7 de junho de 2019

CIENTISTAS CHINESES IMPLANTAM HIV E ALTERAM DNA DE GÊMEAS RECÉM NASCIDAS PARA IMUNIZAR CONTRA VIRUS DA AIDS - EXPERIMENTO PODE REDUZIR EM 20% A EXPECTATIVA DE VIDA


https://itmidia.com - Um novo estudo sobre as primeiras pessoas no mundo que tiveram seus DNAs alterados, duas bebês chinesas, revela que as mutações genéticas podem reduzir a expectativa de vida. Divulgada na revista Nature Medicine, na segunda-feira, a pesquisa alerta sobre os impactos do procedimento realizado pelo Prof. He Jiankui, no ano passado, ao editar os genes das meninas para que elas adquirissem imunidade ao vírus HIV.
O professor utilizou método de edição genética conhecido como CRISPR para inserir uma variante modificada do gene CCR5 (importante para o funcionamento do sistema imunológico, mas também a porta de entrada para o vírus HIV no corpo humano) no cromossomo das meninas ainda no estágio embrionário. O objetivo é que as gêmeas conhecidas como Lulu e Nana, nascidas no ano passado, se tornassem imunes ao vírus.
Na época, o experimento chocou a comunidade médica internacional e levou o governo chinês a exigir que He Jiankui e sua equipe encerrassem esses experimentos. Agora, a pesquisa conduzida pela Universidade da Califórnia, em Berkeley (EUA), reforça que o CCR5 tem um papel maior no corpo do que apenas tornar as pessoas vulneráveis ​​ao HIV.
Segundo o estudo, as pessoas com versão modificada do CCR5 têm 20% mais chances de morrer antes de completar 78 anos. "Neste caso, provavelmente não é uma mutação que a maioria das pessoas gostaria de ter", disse o professor Rasmus Nielsen, da UC Berkeley, em entrevista à BBC.
Pesquisadores avaliam que o uso da tecnologia de edição de genes, Crispr, ainda é muito arriscado em crianças. Além disso, a comunidade médica internacional critica a escolha de He Jiankui, uma vez que o HIV hoje pode ser tratado, sem contar que o risco do pai soropositivo passar o vírus para as filhas era consideravelmente baixo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário