terça-feira, 22 de janeiro de 2019

MOURÃO DEFENDE AUMENTO NO TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO DE MILITARES DE 30 PARA 35 ANOS

General Mourão, vice-presidente do Brasil  Marcelo Camargo/ABr

Vice-presidente diz que tempo de contribuição de militares para Previdência pode aumentar

O vice-presidente do Brasil, general Hamilton Mourão, considera que o tempo de serviços prestados pelos militares na ativa deve aumentar a partir da reforma da Previdência. Questionado se o período de contribuição passaria de 30 anos para 35 anos, Mourão afirmou: “Em tese, é isso aí, com uma tabela para quem já está no serviço, um tempo de transição”.
Mourão fez as declarações aos jornalistas nesta segunda-feira (21), na entrada da Vice-Presidência, onde despacha normalmente e permanece, mesmo ocupando a Presidência da República em exercício. Ele substitui o presidente Jair Bolsonaro que viajou para Suíça onde participa do Fórum Mundial Econômico, em Davos.
Pela manhã, Mourão concedeu entrevista à Rádio Gaúcha, em que foi questionado sobre possíveis mudanças na Previdência dos militares. Ele respondeu, sob ponto de vista pessoal, que considera que o período de contribuição dos militares deverá, sim, aumentar com a reforma da Previdência.
“O tempo de permanência no serviço ativo é um dos pontos que estão sendo discutidos e será apresentado pelo grupo militar como uma forma de mitigar esse gasto que a União e os estados têm com as suas Forças Armadas e forças policiais. Hoje essa questão da permanência por 30 anos no serviço ativo, eu acho que ela irá mudar. Acho que irá aumentar.”
Em relação ao pagamento de pensões para as viúvas de militares, Mourão afirmou que a possibilidade de acabar a isenção de impostos sobre essa pensões, em muitos casos escandalosas, está em discussão. Mas não adiantou se o benefício será alterado ou mantido da forma que está. “É um outro assunto que as pessoas têm pensado, nisso aí. São mudanças que seriam positivas para o país”, disse.
Portugal Digital com Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário