sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Polícia Civil desarticula grupo criminoso em Horizonte após prisão de dois “cabeças”




A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) desarticulou um grupo criminoso que atuava em negociações ilícitas relacionadas ao tráfico de drogas e diversos outros crimes, no município de Horizonte, Área Integrada de Segurança 13 (AIS 13). Dois dos principais suspeitos de comandar as ações criminosas no município da Região Metropolitana de Fortaleza foram presos e estão à disposição da Justiça para responderem por uma extensa ficha criminosa em reclusão. As prisões foram realizadas por equipes da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na quinta (6) e sexta-feira (7) passadas. Os detalhes das prisões foram apresentados em coletiva de imprensa, na tarde desta quinta-feira (13), na sede do Complexo de Delegacias Especializadas (Code).
As prisões foram desencadeadas a partir dos levantamentos feitos pelas equipes de inteligências da Draco e do DHPP, que compartilharam informações que levaram os agentes de segurança a capturar a dupla. Conforme apurações das equipes de investigadores da Draco, Francisco Régio de Sousa (31) passou a residir em um imóvel alugado, dentro de um condomínio localizado no bairro Pajuçara, em Maracanaú (AIS 12), logo após ter fugido da prisão, em dezembro de 2017. No entanto, ele continuava exercendo forte influência em ações criminosas que utilizavam o conjunto habitacional José Lino da Silveira, no bairro Zumbi, como base do grupo. Na última sexta-feira (7), os policiais montaram um cerco visando capturar o suspeito em definitivo. Em uma das saídas de Régio do condomínio que morava em Maracanaú, os policiais da Draco o seguiram e o abordaram nas imediações da rodovia BR 116, no bairro Pedras, em Fortaleza (AIS 3). Desprevenido, Régio não esboçou reação e retornou ao imóvel dele, em Maracanaú, desta vez, com os policiais civis.
Após vistoria no imóvel, os agentes da Draco apreenderam uma pistola calibre .40, municiada com dois carregadores, totalizando 18 munições. Foram recolhidas ainda duas balanças digitais e uma pequena quantidade de um pó branco, aproximadamente 15 gramas, semelhante à cocaína e um pedaço de maconha prensada, pesando aproximadamente 350 gramas. Os policiais também apreenderam nove aparelhos celulares, de modelos diversos, que estavam guardados na gaveta do criado-mudo de um dos quartos. Outro aparelho telefônico foi apreendido com o suspeito no momento da abordagem policial. Diante dos fatos, o suspeito foi conduzido até a sede da Draco, em Fortaleza, para a realização do flagrante por tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, além do cumprimento do mandado de prisão em desfavor dele. Régio coleciona uma extensa lista criminal por crimes como homicídio, roubo, dano, receptação, associação criminosa, corrupção de menores, tráfico e associação para o tráfico de drogas, crime de trânsito, posse irregular e porte ilegal de arma de fogo, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e por integrar organização criminosa.



“A prisão de suspeitos que comandam organizações criminosas desestrutura o fluxo construído envolta das práticas criminosas, como o tráfico de drogas, e altera a dinâmica de disponibilidade de armas para o cometimento de roubos e homicídios. O êxito de prisões como essa é fruto de investigação precisa e com foco nas chefias desses grupos criminosos. Interromper esse ciclo é estratégico para enfraquecer a influência e cortar a comunicação deles com os comandados”, explica o titular da Draco, delegado Harley Filho.

Segundo alvo

A troca de informações entre Draco e DHPP resultou ainda na prisão do comparsa de Régio, no dia anterior à prisão dele. Carlos Alexandre do Nascimento (36), mais conhecido por “Alexandre Maluco”, foi preso em flagrante, com base na Lei das Organizações Criminosas. O Departamento apura também o envolvimento dele em crimes de homicídio em Fortaleza e Horizonte. “Maluco” acumula passagens por estupro, receptação, falsidade ideológica, roubo, homicídio e tráfico de drogas. Em um dos flagrantes de “Maluco”, o suspeito foi preso junto com Régio e um terceiro integrante do grupo criminoso, por equipes da Draco, em março de 2017. De acordo com as investigações, “Maluco” comandava o tráfico de drogas, viabilizava armas e indicava quem deveria ser executado na região.

Trio criminoso preso

O terceiro indivíduo que compartilhava a rotina de crimes em Horizonte e integrava o grupo de “Maluco” e Régio é Leandro Ferreira Modesto (26), o “Gaguinho”, que se encontra preso desde agosto de 2017, quando foi abordado por uma composição do Policiamento Ostensivo Geral (POG) da Polícia militar do Ceará (PMCE). O suspeito tentou empreender fuga, mas foi detido minutos depois pelos policiais militares. Dentro veículo, foram encontradas uma certa quantidade de entorpecentes e uma pistola .40 municiada, que “Gaguinho” arremessou para fora do carro.

O ex-titular da Delegacia Metropolitana de Horizonte e atual delegado da 8ª delegacia do DHPP, Rodrigo Jataí, ressalta que a prisão do trio criminoso representa uma baixa no comando da organização criminosa no município e vai reprimir uma série de ações delituosas que o grupo realizava na região. “Eles eram responsáveis tanto por dar ordens para matar alvos da chefia como também pela traficância da área de atuação da organização criminosa. A baixa decorrente dessas prisões é um trabalho eficiente da Polícia Civil no combate à atuação de grupos criminosos”, destaca o delegado.

Investigações

A Polícia Civil mantém as apurações sobre a atuação do trio em diversos crimes praticados em Horizonte, bem como verifica a participação de outros membros do grupo criminoso a fim de responsabilizá-los das práticas delitivas na região. A população pode contribuir com o trabalho investigado repassando informações que levem a Polícia a identificar e prender outros suspeitos. As denúncias podem ser feitas para o número 181, o Disque Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ou ainda para o WhatsApp da Draco, pelo número (85) 98969-0182, ou ainda para o WhatsApp do DHPP, pelo número (85) 99111-7498. O sigilo é garantido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário