quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Operação Chacal desarticula quadrilha que atuava na região de Mamanguape


Policiais civis e militares deflagraram na manhã desta quinta-feira (27) a operação “Chacal” e desarticularam uma quadrilha criminosa que atuava na região do Vale do Mamanguape, no interior da Paraíba, praticando crimes de homicídios, tráfico de drogas e assaltos. Foram cumpridos mandados de prisão contra 12 suspeitos de integrarem o grupo. Entre os presos há um deficiente físico que, segundo as investigações, atuava como agenciador de “pistoleiros”. Os detalhes da operação foram repassados durante uma entrevista coletiva, na Central de Polícia, que contou com a presença de autoridades policiais, como o delegado geral da Polícia Civil, João Alves, e o secretário de Segurança e Defesa Social, Cláudio Lima.
Os mandados foram cumpridos nas cidades de Mataraca, Pedro Régis, Mamanguape, Jacaraú e João Pessoa. Dos 12 mandados de prisão que foram cumpridos, oito foram contra pessoas que se encontravam em liberdade e quatro foram em desfavor de detentos que já cumpriam penas por outros delitos nos presídios Flósculo da Nóbrega, Silvio Porto e Romeu Abrantes – PB1 - (todos situados em João Pessoa) e cadeia pública de Jacaraú. De acordo com o delegado Walter Brandão, titular da 7ª Delegacia Secccional de Mamanguape, as investigações começaram há cerca de três meses. Ele informou que o grupo que agia na região era considerado de alta periculosidade, sendo responsável por assaltos, tráfico de drogas, porte ilegal de armas e homicídios com requintes de crueldade ocorridos na região do Vale do Mamanguape. Ele acrescentou que o deficiente físico conhecido como Paulo Henrique, o “Paulo alejado” , apesar de ser cadeirante, foi encontrado pelos policiais de porte de cinco armas de fogo e alto poder de impacto e era considerado como uma peça importante na atuação da quadrilha.
“Ele (Paulo) estava em regime semiaberto respondendo um processo por prática de assalto e fornecia os armamentos para serem usados na prática de assaltos e homicídios na região. Ainda tinha a função de levar pessoas para traficar na cidade Pedro Régis e já estava arregimentando pessoas para formarem um grupo de pistoleiros”, declarou Walter Brandão.
Ainda de acordo com o delegado, o líder da quadrilha foi apontado como sendo Irenildo Cassiano, que já se encontra recolhido no Presidio PB 1 há dois anos por tráfico de drogas. Contra ele, a justiça expediu novo mandado de prisão, que foi cumprido na manhã desta quinta. Segundo o delegado, mesmo preso, Irenildo comandava o grupo criminoso, inclusive dando ordens de execução contra inimigos.
“Todos os presos passarão por interrogatório e serão apresentados em audiência de custódia. Os mandados são de prisão temporária com duração de 30 dias. Iremos analisar as provas coletadas para representarmos pelas prisões preventivas, quando não há prazo determinado para ser encerrada”, detalhou Brandão.
Os suspeitos que estavam soltos e que foram presos na manhã desta quinta foram : Severino Ferreira Neves (Silvinho), Alexandro Rodrigues da Silva, José Jeverson Martins do Nascimento, Thiago André de Lima Rocha, Francisco Maycon de Jesus Costa, Igor Bessa Silva, José Antônio Filho (Fabinho) e David Anderson Souza dos Santos.
Além das prisões realizadas, as equipes policiais conseguiram recuperar dois veículos que haviam sido roubados pelos criminosos e apreenderam entorpecentes e seis armas de fogo. Ao todo, foram expedidos 15 mandados de prisão. “Iremos continuar com nosso trabalho para prender os outros três suspeitos que tiveram suas prisões decretadas pela justiça”, disse o delegado.

Ação integrada
Para o secretário Cláudio Lima, a operação foi extremamente importante para a população da região de Mamanguape. “Conseguimos prender 12 pessoas numa operação importante que combate grupo criminoso que atuam tanto em homividios quanto em assaltos. Temos um trabalho integrado naquela região entre as Polícias Civil e Militar, que vem apresentando resultados para a população”, observou Lima.
O capitão Jailton dos Santos Silva, subcomandante da 2º Companhia Independente da Polícia Militar, situado na região da Mamanguape, também participou da entrevista coletiva e destacou a importância da integração com a Polícia Civil no resultado da operação. “Essa ação é resultado de um trabalho integrado entre a Polícia Militar e a Polícia Civil. Esse trabalho começou com investigações da PolÍcia Civil e passamos atuar de forma integrada para prender essa quadrilha que já vinha há vários meses aterrorizando a população da região de Mamanguape”, afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário