domingo, 8 de outubro de 2017

Gestão do terror prepara desmonte da Caixa

O fechamento de agências anunciado pela direção da Caixa; a “reestruturação”, que na verdade é a desestruturação do banco; a verticalização, que está fechando áreas fundamentais para a execução do papel social da instituição, estão deixando empregados apreensivos em relação a seus salários, empregos e ao futuro do banco público.Anunciaram este ano o fechamento de 100 agências e algumas já foram encerradas. A diminuição de áreas fundamentais como a Gigov que cuida dos programas sociais, a redução da Cehab, que cuida de habitação, e da Gifug, que cuida do fundo de garantia. Todas essas áreas estão diretamente envolvidas com o papel social da Caixa, que é o fator principal do banco, e estão sendo extintas. Essas medidas fazem parte do desmonte da Caixa promovido pelo governo atual.
Para piorar o clima de descontentamento, a Caixa impôs uma meta impossível de ser alcançada aos gerentes de relacionamento PJ e PF. Outro problema, é que além de a meta de cada gerente ser quase impossível de ser batida, o sistema que dimensiona o resultado é falho.
Diante desse quadro, os empregados têm de lutar ao lado do Sindicato e reforçar a mobilização em defesa da Caixa e dos demais bancos públicos, como a Campanha “Se é publico é para Todos.”
Fonte; Spbancarios

Nenhum comentário:

Postar um comentário