segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Polícia Civil investiga golpes aplicados com uso de documentos e cartões de contas em nome de pessoas falecidas em Belém


A Polícia Civil investiga uma associação criminosa responsável em aplicar golpes com uso de documentos falsos e de cartões de banco em nome de pessoas falecidas. As investigações são presididas pela Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE). Na última sexta-feira, dia 15, por volta de 17 horas, foi preso em flagrante, pelos crimes de falsidade ideológica, falsificação de documento público e estelionato, Diego Yoshiaki Sugimoto, 32 anos, paraense, residente em Goiás, e descendente de japoneses. Ele foi detido pelos policiais civis em frente a uma agência bancária, na Avenida Senador Lemos, bairro do Umarizal, em Belém, logo após fazer saques de valores diversos, em terminais de autoatendimento, de quantias obtidas a título de empréstimo.
Ao ser abordado, ele portava quatro cartões de contas bancárias diferentes em nome de quatro pessoas falecidas. Os cartões foram utilizados em saques de contas correntes no banco. Com ele, foram apreendidos ainda telefones celulares e pendrives. No mesmo dia, representantes do banco estiveram na DIOE e confirmaram ao delegado que os clientes que tiveram os nomes usados no crime eram falecidos. O delegado manteve contato por telefone com familiares dos falecidos. Pessoas da família de um deles estiveram na DIOE e apresentaram o atestado de óbito. O preso foi ouvido em depoimento e admitiu que cometeu o crime. Contou que mora em Goiás e que, há dois meses, veio ao Pará, para aplicar os golpes.

Em depoimento, ele preferiu não revelar o nome de quem lhe forneceu os documentos e cartões, temendo pela própria vida. "Vamos continuar as investigações para identificar e prender outros integrantes do grupo criminoso", afirma o delegado. Neyvaldo Silva ressalta que as investigações também irão apurar como o grupo de estelionatários conseguiu ter acesso aos nomes e às contas correntes de clientes falecidos. Segundo o diretor da DIOE, o banco se colocou à disposição para auxiliar as investigações. Conforme o delegado, o preso já tem histórico de envolvimento em fraudes de empréstimos consignados em contracheque com uso de documentos falsos de falecidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário