Imagem: Thiago Dias/Blog do Gusmão.
Imagem: Thiago Dias/Blog do Gusmão.

Um médico da Secretaria de Saúde de Ilhéus procurou o Blog do Gusmão na manhã dessa sexta-feira, 23, para relatar o que chama de “calamidade total”  dos serviços administrados por esta pasta.

Um dos problemas que aponta é a falta de assistência mecânica para três das quatro ambulâncias do SAMU. Nesse momento, segundo o profissional da saúde, todo o município tem apenas uma ambulância disponível para o serviço de atendimento médico de urgência.

Ainda conforme o  médico, a oficina que “geralmente faz a manutenção das ambulâncias alegou que a Secretaria de Saúde está devendo mais de 40 mil reais” e suspendeu “qualquer tipo de serviço para a prefeitura”.

Se a “ambulância sair para atender uma ocorrência mais simples e acontecer algo mais grave”, constata o médico, “não haverá outra para socorrer” as vítimas do segundo caso. Como não têm ambulâncias, as equipes de resgate “ficam todas de prontidão na sede do SAMU, sem fazer nada, por falta de condições de trabalho”.

“SITUAÇÃO GRAVE”

Uma ambulância não é suficiente para atender bem a população de Ilhéus. Além dos seus moradores, o município precisa cuidar também dos visitantes.

O SAMU é um serviço importantíssimo. Na pressa do trânsito, os socorristas arriscam as próprias vidas para salvar outras. Isso porque, muitas vezes, o tempo entre o acidente e a chegada do socorro médico determina a diferença entre a vida e a morte.

Por isso, segundo o médico, o município vive “uma situação muito grave”. Também alertou que essa condição  prejudica a imagem de Ilhéus como cidade turística. Além das vidas em si, que não têm preço, é necessário considerar os efeitos negativos para o turismo. Fez o alerta ao comentar casos recentes de afogamento de turistas. “É muito triste e cruel vir gozar suas férias, passear, curtir uma cidade linda e morrer afogado! Ninguém merece isso!”, concluiu.

O médico voltou a fazer contato com o blog na tarde dessa sexta-feira para informar que a secretaria encaminhou hoje as ambulâncias para conserto, após pressão de servidores do SAMU.